Cigarro e cirurgia plástica: saiba quais são os riscos

Cigarro e cirurgia plástica

Cigarro e cirurgia plástica

 

Cigarro e cirurgia plástica

Cigarro e cirurgia plástica

Cigarro e cirurgia plástica não combinam. Não é novidade que o hábito de fumar traz uma série de malefícios para a saúde. Neste artigo, você vai saber os motivos pelos quais os fumantes correm mais riscos ao realizar qualquer procedimento cirúrgico e/ou estético.

Quando uma pessoa resolve fazer plástica, a escolha do profissional de saúde é importante, mas seguir as recomendações dele antes e depois da operação tem o mesmo peso para que tudo ocorra com segurança e saúde, afastando possíveis adversidades.

Ou seja: de nada adianta escolher um bom cirurgião plástico se você não fizer a sua parte.

Entenda a relação entre cigarro e cirurgia plástica

Em primeiro lugar, vale chamar atenção para o fato de que o cigarro atrapalha a cicatrização e pode influenciar na ocorrência de outros fatores negativos, tanto antes como depois da cirurgia.

A nicotina, um dos principais componentes do cigarro, faz com que os vasos sanguíneos se contraiam. Consequentemente, isso afeta a oxigenação, a produção de colágeno e a nutrição da pele, prejudicando a sustentação e elevando as chances de ocorrências de necrose. Ainda, os fumantes estão mais sujeitos a intercorrências na anestesia, trombose e embolias, complicações que podem ser fatais!

Outro agravante é a presença do monóxido de carbono (CO). Durante o processo de regeneração da pele após a cirurgia o corpo precisa de bastante oxigênio e ele reduz a quantidade desse composto no sangue.

Dessa forma, a pele demora mais tempo para passar pela cicatrização completa e as cicatrizes tendem a ficar mais fracas e escuras.

Outra questão é: como o uso do cigarro também afeta o sistema respiratório, é preciso considerar que os pontos podem abrir com mais facilidade após uma crise de tosse, por exemplo.

Mas, afinal, como fazem os fumantes quando se deparam com essa questão entre cigarro e cirurgia plástica?

Fumante pode fazer cirurgia plástica?

Depois de tudo o que você leu até aqui, pode surgir a pergunta: fumante pode fazer cirurgia plástica?

A boa notícia é que sim, fumante pode fazer cirurgia plástica desde que esteja disposto e atento para com as recomendações médicas.

Em geral, os médicos recomendam que a pessoa se comprometa a passar um tempo sem fumar antes e depois do procedimento.

Parar de fumar com, no mínimo, um mês de antecedência da data da sua cirurgia e seguir nessa pausa por até um mês depois de operar – pelo menos – é super importante.

Assim como todo em procedimento cirúrgico, o paciente assina o “Termo de Consentimento Informado”, um documento que trata também de possíveis complicações decorrentes do tabagismo.

Caso o médico responsável entenda que as condições não estejam adequadas para a realização da cirurgia, ele pode optar pelo adiamento da operação.

Se você é fumante e quer passar por uma plástica, lembre-se: respeitar essa pausa sem o cigarro é fundamental para que tudo ocorra com tranquilidade e não atrapalhe o resultado e o sucesso da operação.

Pronto. Agora você já sabe porque cigarro e cirurgia plástica não combinam. Se esse conteúdo te ajudou ou você acha que pode colaborar com mais alguém, compartilhe com seus amigos pelas redes sociais.

Leia também: Cirurgias Plásticas aumentam 50% no inverno

//]]>